A Magia Selvagem

 

Em toda a Galiza, no norte de Espanha, cumpre-se o ritual anual de cortar as caudas dos cavalos selvagens que vivem soltos nas montanhas. Mas é na aldeia de Sabucedo que a tradição da Rapa das Bestas ganha força como evento internacional com a presença, todos os verões, de centenas de fãs e curiosos desta “festa mágica”.

As origens da iniciativa vão até ao século XVI, ainda que a incerteza sobre a sua religiosidade se dissipe entre lendas, histórias de bravura e a entrega de feras a São Lourenço para proteção das aldeias contra a peste.

Após as rezas, o "Rapa das Bestas" inclui uma incursão pela serra para juntar os cavalos selvagens e a luta que coloca homens - e mulheres - e animais para medir forças dentro do Curro, que em nada lembra uma arena de gladiadores. O objetivo é deixar os cavalos imobilizados no chão para que os rabos e crinas sejam cortados. As semelhanças com o manejo de touros em terras espanholas não serão mera coincidência.

Embora existam grupos contra a manutenção desta tradição, contra a luta entre cavalos selvagens, contra o corte abusivo de suas caudas e crinas, a "festa" continua, mantendo a crença em um ritual que celebra a força dos habitantes de Sabucedo para, por séculos, protegem seus animais contra homens, lobos e fogos de artifício.